sábado, 8 de novembro de 2008

A novela dos terceirizados...

O jornal Folha da Manhã estampou em primeira página, matéria sobre a novela dos terceirizados (clique aqui), o afastamento desses contratados não é novidade, estão fazendo tempestade em copo d’água. Os terceirizados estão sendo usados como massa de manobra para oportunistas e usurpadores. Os líderes desse movimento agora alegam que o comercio vai sofrer com essas demissões próximo aos festejos natalino, é mentira, não vai afetar coisa nenhuma, o comercio já esta afetado e sofrendo, a cidade já esta afetada, a população esta deprimida com esse antro de corrupção que se instalou na PMCG e que levou a prisão uma quantidade de ¨autoridades¨ e ainda falta levar um outro tanto. Os terceirizados eram usados como fachada para sugar o dinheiro público com muitos e muitos fantasmas em folhas de pagamento, este pouco pessoal que está nesse movimento de rua, esta funcionando como um rebanho de tolos (termo usado por Orávio de Campos Soares) é levado de um lado para outro e servem para fazer pressão em favor de interesse de terceiros porque a sua situação não irá mudar em nada.

TRE-RJ desmente Agência Brasil e blogs.

O TRE-RJ desmente em seu site (clique aqui) o que alguns blogs anunciaram a notícia divulgada pela Agência Brasil de que estariam confirmadas novas eleições para os municípios de Bom Jesus do Itabapoana e Santo Antônio de Pádua. Na sua página o Tribunal explica claramente e diz: ¨Uma nova eleição só é convocada se mais de 50% dos votos dados por eleitores a candidatos forem anulados por decisão judicial, o que pode acontecer em Bom Jesus do Itabapoana e em Santo Antônio de Pádua¨. Os processos estão no TSE e caso confirme a decisão do TRE ai sim em 40 dias nova eleição será convocada. Em Bom Jesus comenta-se que se aberto um novo prazo para inscrição de novas chapas para nova eleição, o atual prefeito Paulo Portugal (que já foi prefeito e foi o terceiro colocado em 2004) deverá concorrer. Portugal esta prefeito face acordo entre a Juíza e a Câmara Municipal, em função dos vários impedimentos e tumultos pré-eleitoral que por lá aconteceu.