quarta-feira, 8 de abril de 2009

Adriano o jogador...

O espaço que foi dado com relação ao desaparecimento do jogador Adriano é no mínimo ridículo. O jogador já é reconhecidamente um irresponsável, tem um histórico de drogas bastante comprometedor e essa mídia toda só piora mais sua situação de inconsequente. Deveria é deixá-lo de lado, esquece-lo, para ver se ele se toca.

Câmara dos Vereadores.

A Câmara Municipal não teve quorum (portanto não foi vereador o suficiente para abertura da reunião), portanto cabe ao presidente da Casa Legislativa cumprir com o seu dever de cortar o ponto e descontar dos pagamento dos vereadores faltosos. Com isso gnahou folego o vereador de oposição Marco Barcelar. Não é hora dos vereadores colocarem dificuldade onde já tem muita...

Big Brother Brasil 9

O segundo lugar de Priscila que levou 100 mil reais representa a vitória da peituda e de bunda grande. Desculpem a grosseria, mas é assim que vejo. O programa foi fraco e não despertou atenção do público como a Globo vem divulgando.

Uma boa reflexão.

Cada um faz sua história. Cada um gosta de um tipo de história. Com relação a história ser humanista, é relativo, depende da ótica, do entendimento de cada um. Em cada história, cada um encontra seu prazer, suas desilusões, seus sofrimentos. Cada um tem gosto por um gênero histórico.
Considerar a história interessante é comum, não se emprega esse adjetivo em outras situações, estamos sempre com a história em nosso redor, vivemos sempre a história, ela, esta no passado de uma cidade, de um pais, nas placas das ruas, nos monumentos que são históricos, sempre tem uma história, a história de uma família da memória de um povo.
O povo indiano tem uma história, o povo europeu também tem a sua, nos das Américas temos a nossa. Até mesmos os silviculas e os povos tribais tem a sua historia.
Ninguém consegue apagar sua história, construímos nossa história quando nascemos, crescemos e envelhecemos e não conseguimos desfazer e muito menos esquecer e ignorar nossa história. Nem mesmo quando mudamos de identidade, de pais, não conseguimos esquecer nossa história, não conseguimos apaga-la.
Na vida, no mundo tudo é história, tudo se constrói com uma história, na antiguidade quando se guerreava para se conquistar terras, se construía uma história, quando os povos de uma região se tornavam independente construíam sua história. Nos dias atuais temos como exemplo prático de história quando se faz a emancipação de um município, como exemplo bem próximo nosso, tivemos a emancipação de Italva, Cardoso Moreira, para haver a emancipação uma população se mobilizou, mesmo contra ou a favor, com isso construíram uma história, a historia da emancipação do município.
Tudo tem sua história: A história da descoberta do fogo, a da música, a história da invenção do avião a da chegada da televisão no Brasil, a história de um casal que se apaixona e por ai vai.
A história da criação do mundo é uma história bastante complexa e discutível. A história de Jesus Cristo é outro que tem controvérsias, mas nem por isso deixa de ser história que tem várias vertentes, talvez a mais antiga. Podemos discutir se ele existiu ou não, podemos trazer provas a luz da discussão, mas não podemos deixar de reconhecer que é uma história. A história do homem que aconteceu a exatos 2009 anos. Mas existem outras história antes, e todas são histórias.
Uma das histórias mais importante é a história política dos povos. Não importa o tamanho de cada um na sua história, segundo Weber, não tem papel grande e nem papel de figurante, para a história, tudo e todos tem a sua importância na confecção de uma história.
Toda história tem um entendimento especificalizado, sendo pequena ou grande a história ou seu participante, ele se especifica e é isso que interesse para a história, a especificação.
O homem faz a sua história. Mas se entrelaça com a história da natureza, é aqui que a coisa se completa. Nesse momento o homem esta pagando um preço com relação a natureza, em função da história que ele fez. O desmatamento, a poluição, o desenvolvimento, tudo feito pelo homem para construir sua história, agora esta pagando um preço. A história do homem e da natureza, essa terá um final imprevisível.
Portanto, temos que entender: Todo fato relevante ou não é digno de uma história, quer na realidade ou na ficção.
A história não tem tempo, pode ser que um longo tempo conte uma história, mas um ato curto como um assassinato também conta uma história.