terça-feira, 17 de agosto de 2010

LLX faz o se papel...




Recebi e-mail da Simone Fraga, assessoria de imprensa da LLX, dando conta do trabalho social que a LLX vem fazendo com a população de São João da Barra.
A firma que já chegou, que é uma realidade, já mudou o município e agora esta fazendo a sua parte em mudar a vida da população.
Veja abaixo a integra do material que recebi:


Pescadores retomam estudos com programa da LLX

Projeto “ABC de ensino” formará turmas no ensino fundamental

Com o objetivo de oferecer novas perspectivas para a comunidade pesqueira de São João da Barra, a LLX, empresa de logística do Grupo EBX, responsável pela construção do Superporto do Açu, lançou o Projeto ABC de ensino.

O programa, que teve início no último dia 16, irá possibilitar que os pescadores concluam o ensino fundamental (antiga 4ª série). O modelo é equivalente ao supletivo e as turmas receberão certificado de conclusão ao final do projeto, que terá duração de seis meses.

Para facilitar o ensino, as aulas acontecem na Escola Municipal Dionélia Gonçalves Santos, próximo à Colônia de Pescadores de Atafona. A idéia é colaborar para que pescadores e seus familiares, mesmo cansados após o dia de trabalho, possam participar ativamente das aulas. Todos os alunos receberam kit escolar com pasta, caderno, lápis e borracha.

Com aulas ministradas por professoras da comunidade, para a apresentação das lições são utilizados temas do dia-a-dia do pescador, o que facilita o aprendizado.

O ABC de ensino conta com a participação de 25 pessoas, entre homens e mulheres, todos pescadores. Após a formatura da primeira turma novas inscrições serão abertas.

A iniciativa é uma parceria da LLX Minas-Rio (empresa formada pela LLX e pela Anglo American), SESI e Prefeitura de São João da Barra.

Diagnóstico

Na semana passada a LLX apresentou o resultado do diagnóstico de escolaridade dos pescadores do município de São João da Barra para a comunidade pesqueira. O estudo, que analisou o grau de instrução dos pescadores e suas famílias, orienta a empresa no desenvolvimento de ações específicas para os pescadores, contribuindo para a diminuição no índice de analfabetismo. No total, mil pescadores, entre homens e mulheres, foram entrevistados pela ONG Ecoanzol – contratada pela LLX para a realização do diagnóstico.

A empresa também apresentou os resultados do estudo no prêmio Benchmarking Ambiental Brasileiro 2010, que premia as companhias que possuem as melhores práticas de gestão socioambiental no Brasil. A LLX ficou entre as 27 companhias que possuem as melhores práticas de gestão socioambiental no Brasil.


Conheça a LLX

A LLX foi criada em março de 2007 com o propósito de prover o país com infraestrutura e competências logísticas, principalmente no setor portuário. Seus empreendimentos possuem localização estratégica e profundidade adequada aos maiores navios, utilizando moderna tecnologia portuária. Isso resulta em operações eficientes e de baixo custo.

Atualmente a empresa desenvolve dois empreendimentos: o Superporto do Açu, em São João da Barra, e o Superporto Sudeste, em Itaguaí – ambos em construção no estado do Rio de Janeiro.

O Superporto do Açu é um Terminal Portuário Privativo de Uso Misto, com área de 9 mil hectares, profundidade de 21 metros e estrutura offshore com até 10 berços para movimentação de produtos siderúrgicos, petróleo, carvão, granito, minério de ferro, granéis líquidos e carga geral. O porto também terá uma ponte de acesso aos píeres com 3 quilômetros de extensão, já concluída.

No total serão investidos R$ 4,3 bilhões no Terminal Portuário Privativo de Uso Misto do Açu, sendo R$ 1,9 bilhão pela LLX Minas-Rio (responsável pela implantação do terminal portuário dedicado ao minério de ferro) e R$ 2,4 bilhões pela LLX Açu (responsável pela operação das demais cargas como produtos siderúrgicos, carvão, granéis líquidos e granito).

A LLX já possui cerca de 60 memorandos de entendimento (MOUs) em negociação com empresas que querem se instalar ou movimentar cargas no Superporto do Açu.

Em construção desde outubro de 2007, a previsão é que a operação do Superporto do Açu seja iniciada em 2012. Atualmente, cerca de 3 mil pessoas trabalham na construção do porto, sendo que metade reside em Campos ou em São João da Barra.

O outro empreendimento é o Superporto Sudeste, um Terminal Portuário Privativo de Uso Misto, dedicado a movimentação de minério de ferro, em fase de instalação em Itaguaí (RJ). Estrategicamente localizado, o Superporto Sudeste representa a menor distância entre os produtores de Minas Gerais e o oceano. A construção do empreendimento foi iniciada em julho deste ano e a operação está prevista para 2012.

O empreendimento terá área de 52 hectares, profundidade de 21 metros e estrutura offshore com dois berços para atracação de navios. O investimento previsto é de R$ 1,8 bilhão para movimentação de 50 milhões de toneladas por ano, com possível expansão para 100 milhões de toneladas de minério de ferro por ano.

Mais informações

Assessoria de Imprensa LLX

Simone Fraga