domingo, 3 de maio de 2009

Gripe suina


Ao que tudo indica a gripe suína (que não é só do porco, mas sim uma mistura com frango e outros animais, mas elegeram o pobre coitado) parece que foi uma precipitação, parece que a gripe não é tão letal quanto se imaginava, toda e qualquer gripe e capaz de matar, basta ela evoluir para pneumonia, baixa resistência e outras coisas mais. Epidemia então nem se fala, parece ser algo impossível (graças a Deus). Agora o difícil é apurar quem é ou foram os precipitados!!?? Só uma coisa é certa, o grande prejudicado foi o México (dizem que foi de onde surgiu), podendo-se considerar um verdadeiro flagelo no País como um todo.

E o PT? Por onde anda?

Não podemos esquecer. As denuncias contra a última administração da Fundação Zumbi dos Palmares é feita diretamente ao ex-presidente da Fundação que é filiado e foi uma indicação do PT, a presidência da Fundação era uma das cotas do PT dentro do desgoverno corrupto do prefeito Alexandre Mocaiber. O PT que durante muitos e muitos anos, em nível nacional e mesmo local foi o bastião da moralidade e da ética, esta devendo uma satisfação a população campista. As acusações que o ex-presidente da Fundação faz a administração corrupta do ex-prefeito Alexandre Mociaber são gravíssimas e não permite que o partido se feche em copas. O Partido dos Trabalhadores, na pessoa de seu presidente Helio Anomal já passou da hora de vir a público se explicar. Como isso já passou da hora, que venham a público medalhões éticos, dignos e respeitados como Luciano D`Ângelo, José Luiz Cruz e tantos outros que sofreram dentro da sigla. O partido deveria levar esses membros, inclusive o presidente ao Conselho de Ética, porque o presidente que também detinha cargo no desgoverno, se não pecou pela ação, pecou pela omissão, portanto deve e tem que pagar.

Até nos Estados Unidos...


Brasil MALUF, UM CLÁSSICO
Ninguém jamais se igualou ao ex-governador paulista em escândalos de desvio e lavagem de dinheiro público
Fábio Portela
Pedro Martinelli
Nos anos 50, costumava-se dizer que ninguém sabia vestir um terno como Cary Grant. O ator americano era a própria tradução da elegância. Um modelo para o resto dos homens. Enfim, um clássico. O brasileiro Paulo Maluf bem que tentou, a exemplo de Grant, marcar época pelas roupas bem cortadas - como se vê na foto que ilustra esta página, de 1979 -, mas foi imortalizado por outra razão: Maluf tornou-se, aos olhos dos promotores, o maior clássico da corrupção no Brasil. As investigações sobre ele mostram um estilo todo próprio de desviar dinheiro público, escondê-lo em paraísos fiscais e repatriá-lo. Nesse ramo, Maluf não tem concorrente. No máximo, seguidores. Na semana passada, VEJA teve acesso às peças finais do quebra-cabeça do desvio de verbas promovido por ele na prefeitura de São Paulo nos anos 90. É uma pequena obra-prima da gatunagem. O esquema foi esquadrinhado pelo promotor Silvio Marques, do Ministério Público paulista, que nos últimos oito anos analisou 272.000 documentos bancários do Brasil, Estados Unidos, Suíça, Inglaterra, França e Ilha de Jersey para rastrear o dinheiro sumido. E conseguiu.
"Hoje, posso afirmar que ao menos 93 milhões de dólares foram furtados da prefeitura de São Paulo por Paulo Maluf. O dinheiro deu a volta ao mundo para ser lavado, mas descobrimos seu paradeiro: voltou ao Brasil, como se fosse um investimento feito a partir do Deutsche Bank da Ilha de Jersey em debêntures da Eucatex, a empresa de Maluf", explica o promotor. Impressionada com as provas levantadas por Silvio Marques, a Justiça de Jersey decidiu bloquear outros 22 milhões de dólares que continuam depositados por lá, em contas controladas pelos filhos de Maluf, e que também foram roubados da prefeitura. O promotor conquistou, ainda, outra vitória: o Deutsche Bank aceitou pagar 5 milhões de dólares à prefeitura paulistana apenas para não figurar em um processo criminal ao lado de Maluf. O Ministério Público tentará agora repatriar os 22 milhões de dólares que estão em Jersey e retomar os 93 milhões de dólares da Eucatex. Maluf, claro, permanece fiel ao seu estilo. Ele nega tudo. E nunca foi condenado. É mais um clássico que nunca envelhece.

Já tinha lido em jornais aqui no Brasil, mas vejam, esse material veio em um e-mail que recebi de uma amiga que mora nos Estados Unidos...