quarta-feira, 15 de setembro de 2010

LLX e o petróleo.

A LLX acaba de receber autorização para fazer tratamento e embarcar petróleo na região do Porto do Açú. Queiram ou não, gostem ou não a LLX esta dando uma alavancada na região, em especial em São João da Barra, onde vem cumprindo seu papel social com relação a população.
Leiam a materia abaixo enviada por Simone:

Informação à Imprensa
Setembro de 2010


LLX recebe Licença de Instalação para Unidade de Petróleo

A LLX, empresa de logística do Grupo EBX, recebeu a Licença de Instalação para a Unidade de Tratamento de Petróleo (UTP) que será desenvolvida no Superporto do Açu, empreendimento da companhia em construção em São João da Barra (RJ). A Licença foi emitida pelo Instituto Estadual do Ambiente (INEA) no dia 10 de setembro.

A Unidade terá capacidade para tratamento de 1,2 milhões de barris por dia (capacidade estática de 13,5 milhões de barris) e áreas para estocagem, processamento e movimentação de petróleo cru.

No local serão realizadas atividades de desaguamento, dessalgamento e blendagem do petróleo, o que melhora a qualidade e agrega valor ao petróleo exportado.

“A emissão da Licença de Instalação permite que o Complexo Industrial do Superporto do Açu desenvolva sua vocação de novo pólo de petróleo e gás, atendendo diretamente as Bacias de Campos, Santos e Espírito Santo“, afirmou Otávio Lazcano, diretor presidente da LLX.

Conheça a UTP
O petróleo será transportado das plataformas até o Superporto do Açu por navios FPSOs, próprios para este produto. Entre o local para atracação dos navios e a unidade, o petróleo será movimentado por dutovia.

Todas as operações para tratamento do produto serão realizadas em terra, com o uso de modernas tecnologias para construção, operação e combate a emergência.

Na fase de implantação da Unidade de Tratamento de Petróleo, com duração aproximada de 24 meses, a previsão é que sejam gerados 2 mil empregos diretos. Já durante a operação, com início previsto para o primeiro semestre de 2012, deverão ser gerados 180 empregos diretos e 450 empregos indiretos. Além disto, outros 1,5 mil empregos diretos e 2 mil indiretos serão gerados na operação do Pátio Logístico.

Perfil
A LLX, empresa do Grupo EBX, foi criada em março de 2007 com o propósito de prover o país com infraestrutura e competências logísticas, principalmente no setor portuário. Seus projetos possuem localização estratégica e profundidade adequada aos maiores navios, utilizando a mais moderna tecnologia portuária. Isso resulta em operações eficientes e de baixo custo.

Atualmente a empresa desenvolve dois projetos: o Superporto do Açu, em construção desde outubro de 2007 em São João da Barra (RJ), e o Superporto Sudeste, em construção em Itaguaí (RJ).

O Superporto do Açu é um Terminal Portuário Privativo de Uso Misto, com área de 9 mil hectares, profundidade inicial de 21 metros (com posterior expansão para 25 metros) e estrutura offshore com até 10 berços para movimentação de produtos siderúrgicos, petróleo, carvão, granito, minério de ferro, granéis líquidos e carga geral. O porto também terá uma ponte de acesso aos píeres com 3 quilômetros de extensão, que já está concluída.

No total serão investidos R$ 4,3 bilhões no Superporto do Açu. A LLX já possui cerca de 60 memorandos de entendimento (MOUs) em negociação com empresas que querem se instalar ou movimentar cargas no Superporto do Açu.

A previsão é que a operação do Superporto do Açu seja iniciada em 2012. Atualmente, cerca de 3 mil pessoas trabalham na construção do porto, e metade reside em Campos ou em São João da Barra.

O Superporto Sudeste é um Terminal Portuário Privativo de Uso Misto, dedicado a movimentação de minério de ferro, que será instalado na Ilha da Madeira, em Itaguaí (RJ). Estrategicamente localizado, o empreendimento representa a menor distância entre os produtores de Minas Gerais e o oceano. A construção do Superporto Sudeste foi iniciada em julho deste ano e a previsão é que a operação aconteça no início de 2012.

O empreendimento terá área de 52 hectares, profundidade de 21 metros e estrutura offshore com dois berços de atracação. O investimento previsto é de R$ 1,8 bilhão para movimentação de 50 milhões de toneladas por ano, com possibilidade de expansão para 100 milhões de toneladas por ano.

No último dia 13, a LLX divulgou Fato Relevante informando a aquisição do Supeporto Sudeste pela MMX, empresa de mineração do Grupo EBX. A operação também compreende um contrato preliminar que prevê o aumento de capital e a entrada da empresa sul-coreana SK Networks como acionista da mineradora.

Assessoria de Imprensa LLX
Simone Fraga – (22) 8131-3877 / (22) 2741-1055
Simone.fraga@llx.com.br