segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Olha o 2011 que vem chegando ai gente...

Lista já não é uma coisa legal. Lista de fim de ano é uma das coisas mais cafonas que pode existir. Em Campos, décadas atrás é comum a lista dos 10 mais e depois dos ¨mais¨ (estou criticando mais confesso que fiz parte de algumas. A sociedade modificou e hoje não comporta mais. Os tempos eram outros. Mas ter o desejo e natural, todos temos e a seguir quero passar somente alguns dos meus para 2011:

Que no Natal de 2011 não se tenha o especial de Roberto Carlos, nem na praia, nem na Globo, em nenhum lugar.

E em caso insistirem em fazer, que mudem pelo menos o repertório, já que não se pode mudar Roberto Carlos.


Que a Petrobrás por um decreto presidencial resolva depositar em Juízo todos os royalties a ser pagos a cidade de Campos, nos próximos 36 meses.

Ai é que eu quero ver quem vai querer governar essa cidade, ai sim, acabam com essa instabilidade.


Que o carnaval fora de época inventado aqui para Campos consiga levar algum público até a avenida, que interditada, tumultua o trânsito.

Sê é que o faraônico e caríssimo ¨Sambódromo¨ não consiga ficar pronto.


Que d. Dilma não seja tão desinformada como o Luiz Inácio foi em seu mandaton nunca sabendo de nada.

E que pelo menos nesse ano de 2011 não apreça no caminho dela outra Erenice.


Que efetivamente a prefeita ¨sub júdice¨ consiga fazer funcionar o portal da transparência da PMCG na internet.

Não esquecendo que essa prestação de contas, foi uma promessa de campanha da prefeita.


Que em 2011 a prefeita consiga deixar de ser uma prefeita ¨sub judice¨ de Campos e consiga na plenitude desempenhar seu mandato.

E que não só ela, mas também o seu ¨príncipe consorte¨ Garotinho consiga cumprir sua comutação de pena, na condenação junto com o presidiário Álvaro Lins.


Que outros morros da capital do Rio de Janeiro sejam pacificados.

Mas que nenhum dos marginais de lá desalojados venham parar aqui no interior.


Um desejo de todos é que a d. Dilma que não conseguiu emplacar seu ministério que consiga ao longo de 2011 modificá-lo.

Principalmente não admitindo pessoas como o Zé Dirceu, já que o Palocci foi inevitável.


Que os políticos revejam esse clientelismo e assistencialismo que é praticado em nome da erradicação da pobreza, que nada mais é do que fazer o pobre refém.

Abaixo os projetos de 1 real, as cestas, os cheques e outras coisas mais.