sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Começou vir a tona.

Já era de se esperar. O que o ex-governador Garotinho vai mostrar com relação as contas da PMCG deverá deixar a todos de queixo caído, o que se espera é que não fique pedra sobre pedra e que o governo de sua mulher prefeita eleita Rosinha Garotinho não admita em seu governo nenhum dos corruptos de administrações anteriores conforme teve no governo temporário do vice-prefeito Roberto Henriques que admitiu em seu gabinete funcionário de cargo de confiança do governo de Arnaldo Vianna. Agora a pouco Garotinho começou a disponibilizar no seu blog (clique aqui, Transição em Campos – Capítulo 1) o que muitos de nós já sabíamos mas não tínhamos como provar. Desta forma é que se procede, parabéns pelo trabalho, apontar o crime e mostrar o documento como esta sendo feito, juntar todas as provas e encaminhar para a Justiça, doa a quem doer. Somos meros, humildes e simples cidadãos espectadores, mas estamos de olho.
NOVA POSTAGEM:

E Ponto Final.

Sei que o jornalista Aloysio Balbi não vai ler meu comentário, mas eu diariamente leio os seus na sua coluna Ponto Final no jornal Folha da Manhã (clique aqui) concordo que o vice-prefeito Roberto Henriques tem ¨jeito destemperado e desequilibrado¨ mas vamos combinar que esse pessoal que esta na Prefeitura já passou de todos os limites do tempero e do equilíbrio, lamenta-se que Fernando Leite tenha que segurar uma situação como essa. Fernando que é uma pessoa digna e decente esta nessa por pura dignidade pessoal de ter trocado na hora errada. Desculpa Balbi, mas não posso deixar de discordar de você com todo o meu respeito.

Duas em uma...

Nada a declarar...
Sem comentários... Não vou fazer comentários a respeito desta novela dos terceirizados. Todos (contratantes e contratados) estão sabendo que os terceirizados estão em situação irregular, insistir neste assunto de contratação e recontratação é irresponsabilidade. A Lei foi feita para ser cumprida é hora de a Justiça colocar um basta nisso. Contrato é contrato não é definitivo. Portanto vamos colocar o fim nessa novela. Todos na rua...

Urgente, urgentíssimo...
A Prefeitura não esta pagando seus compromissos e diz que não vai pagar nada mais porque não tem dinheiro. Já que o prefeito Alexandre Mocaiber tem imunidade (não pode ser preso), e hora de prender que tem a chave do cofre até que de conta do dinheiro roubado. Esse povo que ai esta não tem mais o que perder, eles estão no vale tudo. A imunidade do prefeito termina no dia 1.º de janeiro de 2009.

A população não vai admitir acordo entre Rosinha e Mocaiber.



O que se espera da prefeita eleita Rosinha Garotinho é o máximo de austeridade, sem perseguição ou qualquer tipo de arbitrariedade, mas que todas as providências sejam tomadas com relação a assepsia de toda a máquina pública municipal. A população não vai aceitar qualquer tipo de acordo quem venha ser esboçado com relação ao cidadão Mocaiber no sentido de poupar ele próprio ou qualquer um dos seus. Neste momento de boatos, mas também de muita angustia e esperança, corre rumores de possíveis acordos políticos. A população não é boba e esta atenda. Aviso aos navegantes...

Os documentos da transição...

Roberto Henriques vice-prefeito do município se diz preocupado e da demonstração de surpresa com o fato do prefeito Alexandre Mocaiber não cumprir a Leio Orgânica e ao repassar documentos de menos, irregulares e quem sabe até falsificados. Isso não é surpresa, RH esta se fazendo de bobo, porque bobo ele não é. Depois das últimas declarações públicas feita a Mociaber com relação aos seus ¨colaboradores¨ inclusive os presos, pode-se esperar de tudo, inclusive o cinismo deslavado. Mociaber e sua equipe de transição não entregou os documentos devidos e nem vai entregar porque não os tem, ele foi e é um inconseqüente, irresponsável e merece as duras penas dos braços da Lei. RH que não espere transição de paz como apregoou Mocaiber, ele é, foi e esta sendo deslavadamente e descaradamente mentiroso. A pergunta que não quer calar é porque a Justiça Federal e a Estadual não tomam uma providência com relação aos desmandos escandalosamente gritantes?