terça-feira, 4 de agosto de 2009

Teatro no Senado Federal












A discussão em plenário entre o senador Pedro Simon, Renan Calheiros e Fernando Collor, não passou de um grande teatro, alí não tem santo. Todos tem sua mácula. Simon só teve coragem de subir a tribuna depois que o presidente do senado José Sarney se retirou da reunião e passou a presidência da casa. Renan que faz a defesa de Sarney, faz por interesse próprio. Fernando Collor fez fisionomia de raivoso, ameaçou contar fatos de Simon, mas ficou só na ameaça. Amanhã é dia de reunião do Conselho de Ética e 11 representação estão prontas conta o presidente da casa. Hoje será um dia de sucessivas reuniões de ambos os lados. Quem tem telhado de vidro, não pode colocar pedra no bolso.

Nesta mesma reunião estava o senador Arthur Virgílio que é do PSDB e opositor desde a eleição de Sarney para a presidência, mas Virgílio não se manifestou, sabem porque? Renan Calheiros investigou e descobriu que no gabinete de Virgilio, existe um funcionário que fez curso de teatro no exterior, mas precisamente na Espanha sem ter um único dia de falta e muito menos diminuição em seu contra cheque.

Fernando Collor paga mais um preço, deveria se recolher a condição de ex presidente da república, condição que tem de ser o primeiro presidente afastado do cargo pelo Congresso nacional, só isso já é muito para qualquer biografia. Mas não, foi se meter a querer ser senador, é isso que dá agora esta mais uma vez sendo esporto. José Sarney é a mesma coisa, ambos, tem rabo de palha, portanto não podem passar perto de fogueira.
Pela foto de Renan Calheiros você pode observar que classe de senador ele é. Mas bem diz o velho ditado popular: Cada povo tem o político que merece.
Em 2010 é ano de renovação e de eleição para deputados, senadores, governadores e presidente da república, vejam bem o que voces vão fazer. Urna não é pinico...

Esta semana é decisiva, muita coisa pode acontecer, mas como estamos no Brasil, mas precisamente em Brasília, portanto pode até não acontecer nada.