terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Campos

Tudo pelo que estamos passando e o que ainda vamos passar são reflexos do desgoverno de Alexandre Mocaiber, não sou adepto de se ficar revirando agruras do passado e muito menos ficar espiando pelo retrovisor, mas essa é a verdade que não pode ser deixada de lado, não pode ser esquecida. Temos que nos mobilizar, tem que haver uma punição de todas as autoridades que participaram desse desgoverno e por conivência ou omissão causaram danos a cidade e a população.

Ainda as acusações do senador Jarbas...

O que o senador Jarbas Vasconcelos disse do ex-presidente e senador presidente do Senado José Sarney, o deixa no mínimo em uma situação de suspeição. Em qualquer cidadela organizada, seria motivo para o ex-presidente processar o colega. Sarney se quer cogitou colocar o cargo a disposição e muito menos se colocou a disposição para discutir o assunto, de pronto disse que não iria considerar as declarações do colega. Sarney não é respeitado como homem público e muito menos como político, chegou a presidência da república pelo acaso (com a morte de Tancredo Neves), foi um vacilo ou melhor um cochilo do dr. Wlisses Guimarães, na realidade ele não podia ser o presidente, Sarney era vice eleito de Tancredo, mas ambos não tinham sido empossado, portanto quem deveria assumir seria o presidente do Congresso, o primeiro na linha sucessória e uma nova eleição deveria ter sido feita. Com a comoção da morta de Tancredo e sendo o primeiro presidente civil depois do regime militar mesmo eleito indiretamente, na calda da noite foi acertado (sabe-se lá o que?) que Sarney assumiria e foi o que aconteceu. Sem capacidade, sem competência, sem estar preparado, presidiu a República do Brasil.

As acusações do senador Jarbas...

O senador pernambucano Jarbas Vasconcelos tem um passado de respeitabilidade, mas a sua postura em denunciar o que todos nos sabíamos sem dar nomes e provas, o deixa vulnerável. Acusações graves, mas generalizadas são no mínimo um ato de irresponsabilidade. Sendo ele fundador e membro do PMDB onde esta há mais de 40 anos, esta incluído na coluna de suspeitos pelo próprio ato que fez. Sabedor dos fatos que acusa, na qualidade de autoridade, não ter levado a instância competente, o deixa na condição de conivente e/ou omisso. O momento é eleitoral, temos uma campanha presidencial pela frente e os interesses são muitos. Com todo o passado de respeitabilidade que o senador carrega, ele não é inocente... se fosse não teria sobrevivido os mais de 40 anos de política.

A disputa já começou.


Mesmo fora da hora, ao arrepio da lei, a disputa ao cargo de presidente da república do Brasil já começou. Dando mal exemplo, a candidata de Luiz Inácio é a Dilma Roussef que devidamente repaginada esta literalmente na pista para o desespero de uma oposição atônita que não consegue reunir os cacos.