domingo, 12 de julho de 2009

Fidelidade partidária

A Lei de Fidelidade Partidária que vigora produz perguntas que não quer calar:

Geraldo Pudim, Rosinha Garotinho, Nelson Nahim e Clarissa Garotinho que são detentores de mandato não poderão acompanha Garotinho na ida para o PR, porque se o fizerem sem justificativa, perdem seus respectivos mandatos.

Como esses detentores de mandato vão subir em palanque de Garotinho candidato a governador, tendo Sergio Cabral concorrendo a reeleição ao mesmo cargo que Garotinho almeja?

Como não subir no palanque de Sergio Cabral e muito menos falar bem dele? Sê falarem mal, piora ainda mais a situação, quem falar pode perder o mandato por infidelidade partidária.

Como Geraldo Pudim dentro do PMDB vai administrar e liderar o movimento Volta Garotinho que agora é do PR?

Garotinho esta costurando uma aliança do PT do B com o PR, o que redundaria em um apoio ao governo de Rosinha Garotinho aqui em Campos, mas o PT do B aqui tem eleito vereador Marcos Bacellar que é inimigo de Garotinho, como ficaria?

Como fica o governo Rosinha que patrocina uma CPI contra mesmo do PT do B? E receber apoio do presidente local do PT do B Sivaldo Abílio?

E o vereador Jorginho Pé no Chão que é oposição a Rosinha e é do PT do B? Como ficaria?

Nenhum comentário: